Categorias
Investimentos

Como investir no Tesouro Direto?

De todos os investimentos de renda fixa, ele é um dos mais conhecidos e “fáceis” de se compreender, que tal aprender um pouco mais para ver se é uma estratégia boa para o seu perfil de investidor?

Você já ouviu falar sobre o tesouro direto? Ele é uma das categorias de renda fixa, onde você deixa o seu dinheiro render por você. Desenvolvido juntamente com a B3, ele veio ao Brasil no ano de 2002, e segue até hoje com as suas modalidades.

De todos os investimentos de renda fixa, ele é um dos mais conhecidos e “fáceis” de se compreender. Várias pessoas preferem deixar um parte do seu dinheiro aplicado nele e diversificar os títulos, ações, fundos em outras negociações do mercado financeiro.

Agora que você entendeu mais ou menos como funciona o tesouro, vamos explicar mais detalhadamente o que ele é, quais tipos existem, e como você faz para investir no mesmo. Você verá que é tudo de maneira bem simples e rápida!

O que é o Tesouro Direto?

O tesouro direto foi desenvolvido para a venda de títulos públicos federais para pessoas físicas, ou seja, ele funciona como um empréstimo, então você paga por ele e recebe uma remuneração por isso, e quase todas as modalidades de renda fixa tem esse conceito parecido.

Além da sua rentabilidade ser maior do que a da poupança, ele te oferece mais segurança, então se você está começando a investir agora e tem um perfil mais conservador, essa é uma boa opção para te ensinar a mexer com o seu financeiro e te dar um retorno sobre o mesmo.

Você pode começar a investir no tesouro acima de R$ 30,00, então não é um tipo de investimento que só vale a pena se tiver um capital maior. Outra coisa importante é que você consegue escolher quais tipos mais se adequam com os seus objetivos.
Quais são os títulos do Tesouro Direto?

  • Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais: Ambos tem a rentabilidade determinada no momento da aplicação, sem sofrer quaisquer modificações independentemente da situação que o mercado financeiro se encontra. Portanto se a taxa for 3% ao ano, ele vai continuar te rendendo esse percentual até a data do vencimento. A diferença mais básica entre as duas é que a segunda opção o investidor receberá um juros a cada 6 meses.
  • Tesouro IPCA e Tesouro IPCA com Juros Semestrais: Ambos são interligados a taxa de inflação, tendo uma rentabilidade híbrida, ou seja, uma parte dela é fixa e a outra mais flexível, portanto: 4% + IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). De qualquer maneira, você sempre ganhará mais do que a inflação, porém os preços podem variar tanto para menos quanto para mais. O raciocínio é o mesmo do outro, os juros na 2º opção vem a cada 6 meses.
  • Tesouro Selic:– Essa modalidade é integrada com a taxa Selic, que é a taxa de juros básica. Portanto ele sempre será flexível e acaba trazendo uma rentabilidade um pouco menor, você receberá de acordo com o valor da Selic.

Vencimento e modalidades

Tanto no tesouro quanto em outras modalidades de renda fixa, é possível escolher um vencimento. Isso varia de acordo com os seus planos, se você planeja uma viagem, a categoria indicada é a curto prazo. Se tem em mente fazer uma formatura, pode escolher a de médio prazo. E se você já estiver pensando na aposentadoria ou algo do tipo, pode-se optar por um período de longo prazo.

Portanto quem decide o tempo que o dinheiro vai ficar ali é você, e ele vai se adequar com os seus objetivos. Quando o período acabar você poderá resgatar o seu valor normalmente.

Em relação as modalidades, comentamos um pouco sobre elas nos tipos de títulos do tesouro direto, mas para sermos um pouco mais específicos, iremos deixar a definição aqui de cada um. Podemos contar com três:

  • Pré-fixado: Nessa faixa, você já sabe o quanto vai receber no momento em que compra essa aplicação, ou seja, já vira tudo detalhado de qual será o valor do resgate, os títulos que cabem a essa categoria são os prefixados simples e de juros semestrais;
  • Pós-fixado: Nessa faixa, você ainda não sabe quanto vai receber no momento em que fecha a compra, porque as taxas que irão corresponder a sua remuneração são flexíveis, portanto elas podem oscilar a qualquer momento, mas sempre sendo maior que a taxa de inflação. O título cabível nessa categoria é o Tesouro Selic;
  • Híbrido: Nesse caso, é uma junção dos dois, então em sua aplicação você terá uma parte fixa e outra mais flexível, que é no caso do Tesouro IPCA simples e com juros semestrais.

Simulação do Tesouro Direto

Antes de começar a investir na prática, você pode fazer uma simulação dos seus investimentos, então você entrará em uma plataforma na internet e colocará os títulos, modalidades, vencimento, valor e outras informações básicas correspondente aos seus objetivos.

O bom de fazer a simulação é que você pode comparar quais modos foram os melhores para o seu perfil e assim investir com certeza e segurança daquilo que você quer. Isso é um guia completo, então ele te mostra opções de curto, médio e longo prazo, além de outras modalidades do mercado financeiro também, como a renda variável.

Passo a passo de como investir no tesouro direto

Com essas dicas você vai ficar craque em investimentos, então preste atenção!

1º Passo: Abrir uma conta em uma corretora.

Para isso é preciso que você escolha qual corretora vai desejar operar, portanto pesquise quais são as melhores corretoras, taxas de administração cobrada, taxa por investimentos e escolha a que mais se adequa ao seu perfil.

2º Passo: Faça o seu teste de perfil.

Depois de criar a conta na corretora, faça o teste que eles disponibilizam para saber qual é o seu perfil de investidora ou investidor. Normalmente ele é feito baseado em algumas questões e no final você verá se você é da modalidade mais conservadora, moderada ou arrojada, isso planeja todo o seu mapa de investimentos voltados para o resultado que você obteve.

3º Passo: Comece a investir.

Depois de ter feito sua conta, seu teste de perfil e uma simulação do que você quer, entre na modalidade de tesouro direto e selecione todas as categorias que você escolheu no simulador, só que agora é pra valer. Depois de preencher com as suas informações ele irá pedir uma assinatura eletrônica, e pronto!

Com informações do Blog Rico