Categorias
Notícias

Cofundador esquecido da Apple vendeu suas ações e deixou de ganhar bilhões

O nome da Apple até os dias atuais está muito ligado a Steve Jobs, mesmo que ele não tenha criado a companhia sozinho. Muito pelo contrário, “Woz” também teve participação fundamental no processo. Mas você sabia que a marca da maça teve originalmente um terceiro sócio que recusou ficar na empresa? Pode parecer loucura isso, mas para Ronald Wayne, essa foi uma decisão acertada.

O mundo da tecnologia está repleto de histórias fantásticas por trás das grandes companhias do ramo atualmente. Poucas são as empresas que com apenas um fundador deram certo como foi o caso da Amazon com Jeff Bezos, em compensação grandes duplas mudaram o conceito do mundo da tecnologia: Bill Gates e Paul Allen pela Microsoft, Larry Page e Sergey Brin no Google e Steve Jobs e Steve Wozniak da Apple são alguns exemplos.

O nome da Apple até os dias atuais está muito ligado a Steve Jobs, mesmo que ele não tenha criado a companhia sozinho. Muito pelo contrário, “Woz” também teve participação fundamental no processo. Mas você sabia que a marca da maça teve originalmente um terceiro sócio que recusou ficar na empresa? Pode parecer loucura isso, mas para Ronald Wayne, essa foi uma decisão acertada.

Como tudo se iniciou?

Para entender melhor essa história, é preciso voltar até a década de 70, onde Wayne e Jobs trabalhavam na Atari, sendo que Steve costumava a pedir muitos conselhos para o engenheiro de 41 anos à época, principalmente se o mesmo deveria abrir um negócio próprio (no caso a Apple).

Steve Jobs tinha em seu amigo Steve Wozniak a ideia do sócio ideal, visto que o mesmo tinha um amplo domínio sobre os computadores, porém não estava muito interessado em algo sério. É então nesse momento que Jobs pede para Wayne conversar com Woz para ajuda-lo a convencer seu amigo a entrar na sociedade, afinal, de acordo com Jobs, Ronald era mais diplomático que ele.

A conversa foi rápida e foram apenas 45 minutos para Woz aceitar entrar no negócio. Como forma de agradecimento, decidiram dar 10% da empresa para Wayne e fazer com que o mesmo fosse o “critério de desempate” entre os dois caso houvessem discordâncias. A divisão ficou em: 45% para cada Steve e 10% para Ronald Wayne.

Ronald Wayne
Ronald Wayne

A desistência da Apple

Mas o trajeto do engenheiro durou pouco com a Apple, cerca de 12 dias exatamente. O motivo? Uma desconfiança de um acordo e o medo de perder tudo.

Steve Jobs fechou um contrato para produzir 50 computadores para uma empresa chamada Byte Shop e precisaria pegar 15 mil dólares emprestados para a produção dos mesmos. Wayne, sabendo que a empresa tinha fama de má pagadora e que um calote poderia custar tudo o que tinha construído até aqui, decidiu pedir desligamento da Apple.

Meses depois de romper com a Apple, Jobs mandou uma carta para Wayne dizendo que, caso ele abdicasse de todos os direitos sobre a Apple, um cheque de 1,5 mil dólares seria todo dele. Crendo ser “dinheiro encontrado”, Ronald assinou sem remorso algum o documento.

Ronald Wayne hoje

Hoje com seus 86 anos, Wayne vive em uma casa simples no deserto de Nevada, algo que seria completamente diferente caso ele não tivesse abdicado de seus 10% da empresa, que hoje resultariam em cerca de 60 bilhões de dólares, fazendo do mesmo um dos homens mais ricos do mundo.

Mas você pensa que Wayne se arrependeu amargamente de ter assinado aquele papel e ter pego o cheque? Nada disso! Ele agradece até por ter seguido um caminho diferente, mesmo que sem dinheiro.

“Eu teria acabado liderando um departamento muito grande de documentação nos fundos do prédio, remexendo documentos durante 20 anos da minha vida. Não era esse o futuro que eu queria para mim.”

“Se dinheiro fosse a única coisa que eu quisesse, existem muitas formas de conseguir. Mas era muito mais importante fazer algo que eu gostasse. Meu conselho para jovens é sempre este – descubra algo que você gosta tanto de fazer que você vai querer fazer de graça… e você nunca mais vai trabalhar na sua vida.”

Ainda assim Wayne não possui produtos da Apple, pois o mesmo diz preferir os seus próprios aparelhos eletrônicos modificados por ele mesmo. Em 2011, deram a ele um Ipad 2 novinho em folha e Ronald se desfez do mesmo.

*Com informações da Canaltech, G1 e Wiki.