Categorias
Investimentos

3 erros que te fazem ter dívidas

Aprenda a reconhece-los para não cometê-los nunca mais

Quando a gente fala de dívida hoje em dia, a palavra soa como um desespero, um labirinto onde só se dá voltas e outras coisas ruins. Mas você pode aprender a deixar de ter dívidas com alguns erros que você comete mas que pode nem perceber.

Nem tudo está perdido na vida, a educação financeira é algo que, gratuitamente, você consegue organizar em sua vida e em todas as coisas que você faz e gasta. É preciso ter uma certa disciplina e força de vontade para querer sair dessas dívidas e se tornar uma mulher ou homem com uma vida confortável.

Comece reparando na sua rotina e notando o que você faz de diferente para aquilo mudar, no português claro: sair da mesmice! Primeiro de tudo é necessário reconhecimento e logo após, atitude. Assim você consegue dar grandes passos para tornar a sua vida financeira melhor.

Vamos começar uma lista decrescente para te contar quais são os problemas e como poderá solucioná-los.

3º erro mais comum: Emprestar o cartão de crédito para outras pessoas

Isso é uma coisa MUITO comum que as pessoas fazem no dia-a-dia, porque quer compartilhar o cartão com o amigo, o marido ou a mulher, para alguém da família entre outras pessoas. O que muito acontece é que, a pessoa faz uma parcela de 12x paga 2 ou nenhuma e depois fala que está sem dinheiro, e quem acaba no prejuízo no final das contas é você!

Gente, isso é muito sério e pode super acontecer com você. Portanto observe a sua família (se ela for grande melhor ainda), veja aquele tio “encostado” que pega dinheiro emprestado da mãe, dos irmãos, note se ele paga as dívidas ou se te leva pro fundo do poço com ele. O cartão de crédito é oferecido pelos bancos e se essa pessoa não tem um é porque alguma coisa o bancão viu e não deixou que ela tivesse, então por que você vai dar o seu pra ela usar e abusar? Pense nisso.

Não estamos dizendo que isso sempre vai acontecer, mas seja esperto e aprenda a dizer não sem necessariamente usar essa palavra. Você pode achar que isso é difícil de acontecer, mas na verdade, é um dos erros que mais acontecem, e no fim você fica sem a pessoa que gosta e no prejuízo, portanto NÃO EMPRESTE O SEU CARTÃO DE CRÉDITO!

2º erro mais comum: A pessoa não mudar a mente de devedora

Muitas pessoas resolvem parcelar todas as suas compras, “ah hoje vou no magazine luiza e parcelo em 12x”, “amanhã vou ao shopping e parcelo umas compras em 9x” e assim por diante. Isso já é criar dívidas, porque a loja em que você comprou vai receber a vista, e daí por diante você acaba devendo pro banco.

Precisa, mas não tem como pagar, não parcele!!! (Foto: reprodução)
Precisa, mas não tem como pagar, não parcele!!! (Foto: reprodução)

Parcelamento em cartão de crédito já é uma dívida, então procure se organizar para comprar tudo à vista, pense que o dinheiro que você estaria pagando em uma parcela ao banco, na verdade você estará “pagando/juntando” para si próprio.

Tenha sempre em sua mente a organização das coisas que você gasta, e veja a importância que aquele produto vai te trazer, se realmente vale a pena adquiri-lo, pois a maioria das pessoas se enchem de dívidas e no final das contas, as “comprinhas” estão todas trancadas no armário. Em vez de gastar com parcelas, você também pode investir, onde terá sempre um retorno melhor do seu dinheiro.

1º erro mais comum: Parcelar coisas que não irão acrescentar em nada

Você já parcelou alguma coisa por impulso? Ou por algo que você nem queria muito mas acabou comprando? Se sim, está fazendo errado. Vamos tentar definir coisas que não acrescentam em nada além desses dois exemplos acima: Um presente de natal, um celular, um vídeo-game, um utensílio que você comprou só porque ele fica bonito na estante, entre outros.

Esses exemplos são bem claros e a pergunta que você precisa se fazer para definir a utilidade do que você vai comprar é: Eu vou economizar ou ganhar mais dinheiro parcelando isso? Realmente tenho necessidade emergente de parcelar aquilo? Essas são questões que você precisa sempre ter em mente quando decidir dividir o valor para pagar.

As parcelas não podem passar de 20% do que você ganha, caso ultrapasse essa porcentagem, já não vale mais a pena. Suponhamos que você vá se mudar e não tenha um fogão, faça as perguntas e veja se isso cabe no seu orçamento, quando você não tem esse utensílio, você precisará sair e comprar comida fora, ter um micro-ondas para esquentar a comida, então os gastos que você terá sem um fogão serão muito maiores, nesse caso, vale a pena você parcelar caso esteja naquela porcentagem acima.

Não faça compras por impulso, elas podem ser grandes vilãs da sua saúde financeira (Foto: divulgação)
Não faça compras por impulso, elas podem ser grandes vilãs da sua saúde financeira (Foto: divulgação)

Atenção!

Esses três erros que abordamos aqui são muito comuns de acontecer e que, no dia-a-dia as pessoas cometem os mesmos sem perceber de sua grave importância. As vezes parece chato quando dizemos um não aquele parente ou aquele amigo, mas pense que você está se preservando de não cair no prejuízo.

A educação financeira acontece por pequenas mudanças de hábitos e atitudes. Às vezes 50 reais que você gastou no supermercado foram de coisas que não iam te agregar muito, que você comprou simplesmente por impulso, então é aí que você deverá agir.

Existem alguns apps que te ajudam a se organizar financeiramente, baixe-os e tome a atitude de anotar tudo o que gasta de contas fixas, lazer entre outras. Economize sempre no que puder e se a situação estiver ruim, separe uma quantia para fazer uma renda extra, como venda de brigadeiros, bolo de pote entre outras coisas.